DEPENDENTE QUÍMICO: A IMPORTÂNCIA DO VÍNCULO FAMILIAR NO TRATAMENTO DOS TOXICODEPENDENTES

Kaisa Gomes de Oliveira, Glauce Barros Santos

Resumo


A dependência química, segundo a Organização Mundial de Saúde (2001)é definida como uma condição psíquica e por vezes física, consequente de um contato com uma substância marcada por alterações de modos e atitudes agressivas que desencadeia o estímulo pela busca de usar a substância de maneira constante ou com intervalos regulares com o intuito de sentir seus efeitos e suprir o vício. A família é considerada a célula matriz de uma sociedade responsável por cuidar e proteger seus integrantes, garantindo vínculos afetivos, socialização e interação nas relações que colaboram para a formação social de um ser humano. O presente artigo pretende analisar as principais e mais comuns evidências apontadas pelas pesquisas científicas na relação entre o dependente químico e família, em como a importância do vínculo familiar no tratamento do toxicodependente. Tratou-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, utilizando-se da técnica bibliográfica. Esse estudo procurou compreender e analisar a prática da família do dependente químico promovendo o entendimento sobre como a problemática proposta perpassa os muitos âmbitos da nossa sociedade e como o trabalho do assistente social intervencionista possibilita e visualiza a readaptação do sujeito no meio social. A pesquisa conta com ideias que poderão ser tratadas e utilizadas para a melhoria do reconhecimento do sistema familiar em situação de vulnerabilidade, por consequência do uso das substâncias psicoativas e familiares que se encontram os  codependentes.


Palavras-chave


Dependente Químico;Família;Assistente Social

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Aidil Jesus Paes; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia: um guia para iniciação cientifica.3 ed.Editora Makron, 2007

CERVO, A.; BERVIAN, P. A.; DA SILVA, R. Metodologia Científica. 6ª ed. São Paulo: Pearson, 2006.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Parâmetros para atuação de assistentes sociais na saúde. Brasília, 2010.

EGRY, E.Y.; FONSECA, R.M.G.S. A família, a visita domiciliária e a enfermagem: revisitando o processo de trabalho da enfermagem em saúde coletiva. Rev.Esc.Enf.USP, v. 34, n.3, p. 233-9, set. 2000.

RODRIGUES, M. S. P., et al. A família e sua importância na formação do cidadão. Família, Saúde e Desenvolvimento. Curitiba, v.2, n° 2, p. 40-48, jul/dez. 2000.

SARTI, C. A. A família como espelho – um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas, Autores Associados, 1996.

RODRIGUES, J. S. O serviço Social e as Políticas Públicas Brasileiras no trato do Álcool e outras Drogas. III Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís – MA, 28 a 30 de Agosto 2007.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social. CFESS Manifesta, Brasília, novembro de 2011.

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – PNAS, aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social por intermédio da Resolução nº 145, de 15 de outubro de 2004, e publicada no Diário Oficial da União – DOU do dia 28 de outubro de 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVISTA DA FAESF


ISSN 2594-7125

©2017 FAESF - Faculdade de Floriano


Indexada:

google acadêmico sumários.org

  LOCKSS