ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM PARTICIPAM DA CAMPANHA ''HEPATITE ZERO''

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM PARTICIPAM DA CAMPANHA ''HEPATITE ZERO''

O curso de Enfermagem da FAESF - Faculdade de Floriano, atendendo ao convite do Rotary Clube de Floriano  Médio Parnaíba participa nesta semana das atividades que compõem a Campanha "Hepatite Zero", realizada nos dias 13 a 15 de fevereiro. A abertura foi marcada por uma palestra ministrada na noite do dia 13, para os membros do Rotary, onde foi exposto a situação da Hepatite C no Brasil, e sobre como foi organizada a Campanha em Floriano, sendo ministrada pela docente do curso de Enfermagem da FAESF, Jayra Adrianna da Silva.


A Campanha seguiu com a realização do dia D, ocorrida no dia 14, na Unidade Básica de Saúde Paulo Kalume, no bairro Tiberão. Onde os usuários receberam orientações sobre Hepatite C, participaram do café da manhã, e realização de testes para detecção da Hepatite C, e nos casos positivos o acolhimento, notificação compulsória, aconselhamento e encaminhamento para o Centro de Testagem e Aconselhamento em DST/AIDS de Floriano. Na ocasião houve a presença de autoridades locais.


A Hepatite é uma inflamação do fígado, que pode evoluir para formas mais graves, como cirrose, câncer e óbito. Podendo ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.


No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Sendo a Hepatite C (causada pelo vírua HCV) é uma das formas mais graves, por na maioria das vezes se apresentar de forma silenciosa, tornando difícil o diagnóstico e tratamento em tempo hábil. Em poucos casos podem apresentar sintomas como cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.


A Organização Mundial de Saúde estima que, no mundo, 170 milhões são portadores crônicos do vírus da hepatite C e que no Brasil, devem existir cerca de 3 milhões de portadores. Destes a cronificação ocorre em 70% a 85% dos casos.


Tem como meios de transmissão: Transfusão de sangue; Compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos, entre outros), higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings; Da mãe infectada para o filho durante a gravidez (mais rara); Sexo sem camisinha com uma pessoa infectada (mais rara).


As ações de sensibilização e  conscientização da comunidade sobre a prevenção é de suma importância para evitar a infecção, bem como a detecção e tratamento em tempo oportuno. Visto que a Hepatite C não tem vacina, porém tem tratamento, custeado pelo sus (sistema Único de Saúde) de Alta Complexidade.



FAESF
FAESF